Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Debaixo Da Língua

Debaixo Da Língua

30-50-policial-thriller-mrec universitarios022019-mrec

Marcados - 2ª temporada, final de L e J

32395264_1928932927140089_7297735445536833536_n.jp

 

“Existem tristezas que não podem ser superadas, alegrias que nunca serão esquecidas e fases que somos obrigados a passar.

Este momento está a ser difícil de ser superado, eu tentei, tentei múltiplas vezes… Tentei esquecer, tentei ser forte, mas, como habitual, sucumbi à fraqueza. Sou fraco. Desculpem-me pelo sofrimento que causei e vou causar.

Mãe, quero dizer que te amo e amar-te-ei para o resto do meu ser. Sem ti não vivia, vou levar-te no meu coração para todo sempre. O amor que sentimos pela nossa mãe é inigualável.

Maria, minha querida Maria. Eu sei que não sabes os sentimos que sustento por ti, mas és e serás para sempre a mulher da minha vida. Amo-te desde os meus 7 anos. És uma menina muito especial, tentei contar-te várias vezes, mas não consegui. Espero que sejas muito feliz. Estarás para sempre comigo.

 

Nunca vos esquecerei. O meu coração será vosso para todo o sempre.

 

Cristiano”

 

 

 

19 Meses antes…

            Hoje estou tão nervosa, nunca me senti assim. Estou a explodir de nervos. É difícil não poder escolher o nosso futuro e termos de depender de uma estúpida insígnia que nos é tatuada no pulso. Tenho de pensar positivo, vou lutar, afinal eu sou forte.

            A minha mãe, de manhã, deu-me imensa força, ela é o meu orgulho, o meu enorme pilar.

Maria Garcia

            Estou a ser chamada. Meu deus, estou a tremer. Tenho tanto medo.

 

 

            Ainda não consegui olhar para o meu pulso. Qual poderá ser a minha insígnia? Eu adorava que fosse algo relacionado com flores, queria um trabalho delicado, ternurento…

            Vim ao WC, tenho de ganhar coragem e olhar para o pulso. Respiro fundo. 1…2…3… Olho! Não! Não!.

            Sinto a minha cara a arder, os meus olhos a encherem-se de lágrimas, as minhas pernas a cambalear, sinto-me a desfalecer. Não pode ser, não pode, por favor não…

            Tenho marcada a insígnia do espaço, vou para longe da Terra lutar pela sua segurança.

 

 

            Passaram-se dias, no entanto, escondo a marca do meu pulso a toda gente. Apenas a minha mãe sabe, ela é o meu pilar. Eu sei que vou aguentar e enfrentar esta nova fase como um desafio e uma experiência única.

            Vou ser forte!

 

 

Atualidade…

            Não vou aguentar tanto sofrimento!

            Hoje foi o pior dia da minha vida, o dia em que me despedi para sempre do amor da minha vida, do Cristiano. Saber que nunca mais o poderei ver, sentir é tão doloroso. Queria-lhe ter contado, ter-lhe dado apoio. Falhei!

            Tiraram-me o tapete dos pés, eu amo-o tanto. Porque escondi? Porque os seres humanos escondem coisas? Porque não exprimem o seu amor?

            Agora, estou aqui, abraçada à mãe do Cristiano, desoladas, sem o grande amor das nossas vidas. Ao ver as suas cinzas a serem levadas pelas ondas senti que parte de mim foi com ele.

            Alguma vez recuperarei desta perda?

 

 

            Já se passaram 5 meses, após a morte do Cristiano. No entanto, sinto-o tão presente. Nunca o esquecerei.

            Mantenho contacto com a mãe dele, todos os dias visito-a, sou a sua única “família”. Ela nunca será a mesma, uma mãe nunca recupera a morte de um filho.

            Amanhã faço 18 anos, vou partir para o espaço. Vou enfrentar esta luta pelo Cristiano, ele estará sempre comigo.

            Amar-te-ei para sempre!

 

 

Fim

 

 

Nota do autor:

Nunca deixem nada por dizer, a vossa felicidade pode estar de mãos dadas ao vosso lado. Omitir um sentimento é retrair e envelhecer a alma. Digam amo-te à vossa cara-metade, familiares e amigos, pelo menos uma vez por dia. Acarinhar um coração é a melhor prenda do mundo.

Amo-te J!

-L&J-